.Outras Coisas & Loisas

.Arquivo de Coisas

. Maio 2007

. Abril 2007

. Janeiro 2007

. Dezembro 2006

. Novembro 2006

. Outubro 2006

. Setembro 2006

. Agosto 2006

. Julho 2006

. Junho 2006

. Maio 2006

. Abril 2006

. Março 2006

. Fevereiro 2006

. Janeiro 2006

. Dezembro 2005

. Novembro 2005

. Outubro 2005

. Setembro 2005

. Agosto 2005

. Julho 2005

. Junho 2005

. Maio 2005

. Abril 2005

. Março 2005

. Fevereiro 2005

. Janeiro 2005

. Dezembro 2004

. Novembro 2004

. Outubro 2004

. Setembro 2004

. Agosto 2004

. Julho 2004

. Junho 2004

. Maio 2004

. Abril 2004

. Março 2004

. Fevereiro 2004

. Janeiro 2004

Quinta-feira, 27 de Julho de 2006

Je pense, donc je suis

Capítulo 18 (Excerto)
Descartes

«

— Descartes, porém, estabeleceu este ponto como o marco zero para a sua reflexão. Ele chegou à conclusão de que a única coisa sobre a qual podia ter certeza era a de que duvidava de tudo. E foi então que compreendeu o seguinte: se havia um facto de que ele podia ter certeza, este facto era o de que ele duvidava de tudo. Se ele duvidava, isto significava que ele pensava. E se ele pensava, isto significava que ele era um ser pensante. Ou, como ele mesmo dizia: “Cogito, ergo sum”.

— E o que significa isto?

— Penso, logo existo.

— Não me surpreende nada que ele tenha chegado a esta conclusão.

»


in,
O mundo de Sofia
de Jostein Gaarder

Malu às 15:56
link do post | Digam coisas | favorito
|
2 comentários:
De Andreia a 27 de Julho de 2006 às 22:33
Não me digas q andas a ler o meu livro preferido? É daqueles que já repeti e hei-de repetir pela vida fora...
De O Turista a 30 de Julho de 2006 às 21:53
Tive que ler esse livro em Filosofia no 10º ano.. confesso que como foi obrigação não gostei muito.. mas olha... tenho-o por aqui.. acho que vou reler.. pode ser que a ideia fique diferente...
beijos

digam coisas